Buscar
  • Alexandra Sanglard

Propósito - será que você precisa mesmo ter um?

Muito tem se falado sobre propósito, seja em relação à estratégia de negócio das empresas ou sob o ponto de vista do indivíduo e da sua trajetória pessoal.

Parece que uma parte das empresas já se convenceu da importância de ter clareza do seu propósito e comunicá-lo, não apenas para uma gestão mais eficaz, alinhando-o às suas estratégias, objetivos e práticas organizacionais, mas sobretudo para garantir a sua sobrevivência no longo prazo. Cada vez mais clientes e colaboradores escolhem produtos e marcas associados a propósitos com os quais se identificam.


Essa tendência de comportamento, embora relativamente recente, demonstra ser crescente e, em grande parte, impulsionada pelas novas gerações que buscam fazer suas escolhas de consumo e profissionais, com base em valores que acreditam, e que são compartilhados por determinadas empresas, tais como a sustentabilidade e a contribuição social.


Mas, e no plano pessoal, o que significa afinal ter um propósito?

 Será que isso é realmente importante, ou necessário? 


Sim, é realmente importante, embora não seja absolutamente necessário.

Por décadas, os psicólogos têm estudado como objetivos significativos de longo prazo são desenvolvidos no ciclo de vida de uma pessoa. Os objetivos que alimentam um senso de propósito mais profundo em geral são aqueles que potencialmente podem impactar as vidas de outras pessoas como criar uma empresa, pesquisar a cura de doenças ou se engajar em um empreendimento de cunho social, mas não se resumem a isso.

O senso de propósito não significa necessariamente ter um projeto de grande impacto ou deixar um legado para a humanidade. Tudo isso é louvável, mas é para poucos e pode gerar angústia e ansiedade na maioria das pessoas que não tem ambições tão grandiosas.

O seu propósito pode estar associado a causas consideradas mais triviais, porém legítimas e não menos importantes, como por exemplo: criar uma família, educar um filho, conhecer o mundo ou ter uma aposentadoria confortável.


Ter um propósito nos dá a capacidade de enxergar o fim desde o começo, vendo a vida sob uma perspectiva mais ampla, nos permitindo priorizar aquilo que é realmente importante e faz sentido para nós. Com isso, podemos assumir o nosso protagonismo e traçar caminhos que sejam realmente estratégicos, fazendo escolhas mais conscientes, alinhadas com os nossos objetivos.


Quando não temos a clareza de um propósito, tendemos a ficar como um barco à deriva, apenas nos deixando levar pelos acontecimentos e pelas circunstâncias da vida, sem direcionamento. Como resultado, podemos experimentar grande frustação e arrependimento.

Num mundo onde a mudança, a incerteza e a complexidade são crescentes, torna-se ainda mais importante definir um senso de propósito que funcione como uma bússola para nos guiar ao longo do caminho.


Isso não significa que você tenha que estabelecer um objetivo fixo para a sua vida, contido em uma única frase. Na verdade, é provável que você tenha que rever o seu propósito ao longo da sua existência, mas ele deve ser coerente com as suas motivações atuais.

Assim você terá uma fonte constante de inspiração, que lhe dará também a resiliência necessária para enfrentar as dificuldades e os revezes ao longo da jornada. Porque, como sabemos, a vida não é fácil!


A busca de sentido


Para a Logoterapia, abordagem terapêutica criada pelo médico austríaco Viktor Frankl, a busca de sentido na vida é a principal força motivadora do ser humano. Quando uma pessoa não consegue perceber objetivos significativos em sua vida, ela experimentará uma sensação de falta de sentido e de vazio, que pode evoluir para a depressão e outras doenças.


Em seu livro “A busca de sentido”, Viktor Frankl afirma que nada no mundo contribui tão efetivamente para a sobrevivência, mesmo nas piores condições, como saber que a sua vida tem um sentido. Ele faz referência à sabedoria das palavras de Nietzsche: "Quem tem um porque para viver suporta quase qualquer como." e relata sua experiência nos campos de concentração nazistas, onde pôde testemunhar como aqueles (incluindo ele próprio) que sabiam que havia uma tarefa esperando por eles, tinham as maiores chances de sobreviver.

Quem tem um PORQUE para viver, pode suportar quase qualquer COMO.
Friedrich Nietzsche

Pesquisas também apontam uma correlação direta entre propósito, bem-estar psicológico e uma vida mais saudável. Em um estudo de 2014, de Patrick L. Hill e Nicholas A. Turiano, indivíduos com propósito e sentido claros apresentaram longevidade significativamente maior. Outro estudo ainda aponta que ter esse direcionamento reduz em até 20% o risco de infarto, AVC e doenças cardíacas, além de aumentar a resistência cerebral em doenças como o Alzheimer.


E como isso se relaciona à carreira e ao trabalho?


Dan Pontefract, autor do livro “The Purpose Effect: building meaning in yourself, your role, and your organization”, defende que há três formas de busca de satisfação profissional. A primeira é a orientação para retorno financeiro, na qual você trabalha para receber um salário e nada mais. Já a segunda é a mentalidade de carreira, orientada pelo crescimento na hierarquia, busca de mais responsabilidades, maior influência ou salário. Finalmente, a terceira é a mentalidade norteada pelo propósito de encontrar motivação, realização e fazer algo que contribua para a organização a você pertence. No último caso, a sua energia se renova e é onde encontramos o flow, estado em que nos concentramos ativamente numa tarefa e alcançamos profunda satisfação.


Embora o aspecto financeiro seja, sem dúvidas, muito importante e o crescimento na carreira represente para a maioria das pessoas uma forma de validação e medida do seu sucesso, tudo indica que as pessoas esperam que o retorno do seu trabalho vá além disso. Elas querem encontrar satisfação, inspiração e sentido naquilo que fazem.


Outra pesquisa foi conduzida com 7.948 alunos, em 48 universidades americanas, por cientistas sociais da Universidade Johns Hopkins. Seu informe preliminar, parte de um estudo de dois anos patrocinado pelo Instituto Nacional de Saúde Mental, revela que, quando perguntados sobre o que consideravam "muito importante para eles naquele momento”, 16% dos estudantes responderam "ganhar muito dinheiro", 78% afirmaram que o seu principal objetivo era "encontrar um propósito e sentido para a minha vida".



Exemplo de declaração de propósito de uma cliente, que se sentiu tão inspirada por ele, que fez uma placa para que pudesse tê-lo sempre à vista na sua mesa de trabalho.


Definindo e vivendo seu propósito


O propósito não é algo místico, que lhe é revelado, ou que você descobre acidentalmente. Requer autoconhecimento, olhar para dentro, ir além do óbvio. Também não é imutável, mas dinâmico. Pode mudar junto com você ao longo do tempo.


Pode não ser fácil, mas vale muito a pena fazer o esforço necessário para definir o seu propósito. Identificar, reconhecer e honrar seu propósito talvez seja a ação mais importante que as pessoas bem-sucedidas tomam. Elas dedicam tempo para entender o que querem fazer, e então buscam isso com paixão e entusiasmo.


 Seguem algumas dicas para orientar a sua reflexão sobre o propósito:


1.      O que torna você único? O que você faz que te diferencia dos outros?

2.      As pessoas te procuram para quê? Como as pessoas te elogiam?

3.      O que é importante para você? O que te faz levantar animado no dia a dia?

4.      Qual é a sua visão de carreira e de vida? O que espera do futuro? Onde você se vê daqui a 10 /20 /30 anos?

5.      Pelo que você gostaria de ser lembrado(a)?

6.      Você enxerga um padrão comum que norteia suas decisões?

7.      Quais experiências te desafiaram e fizeram com que você se sentisse importante?

8.      Se o dinheiro não fosse relevante, o que você faria na sua vida?


Ao responder essas perguntas, você vai refletir sobre seus talentos, seus valores e suas crenças, de forma a ter maior consciência sobre quem é você e o que quer de verdade, independente dos padrões de sucesso e felicidade normalmente estabelecidos.

A partir daí poderá delinear o seu propósito, desdobrando-o em objetivos e planos de ação, que devem estar alinhados, de forma a fazer com que o seu propósito se realize na prática, aproximando você daquilo que busca.


Se o seu propósito ainda não estiver claro, não desista e continue a refletir sobre ele. O importante é não ignorar as suas motivações e viver uma vida que faça sentido para você.


Bom propósito!


Alexandra Sanglard